Imagem retirada de pesquisa no "Google Imagens"

O maior inimigo do meio ambiente não é o desenvolvimento, é a miséria!

Publicado em 7 de janeiro de 2019 | Por Alexis Fonteyne

Em recente reunião com os embaixadores da Bélgica, da Holanda e o vice presidente General Hamilton Mourão, os embaixadores manifestaram sua grande preocupação com a preservação da Amazônia. A Europa toda tem preocupações com o desmatamento da Amazônia.

O que tem que ficar muito claro, é que não é o desenvolvimento que prejudica o meio ambiente, o que de fato o prejudica é a miséria, a pobreza. O desenvolvimento, muito pelo contrário, explora os recursos naturais com o mínimo de impacto, com toda segurança e sempre com um plano de recuperação ou de compensação.

O que devastou as florestas europeias, americanas, africanas e brasileiras não foi o desenvolvimento, foi a miséria destes continentes nos séculos passados.

A preocupação dos Europeus é legítima, mas é infundada ou estão mal informados. É um péssimo negócio para o Brasil não preservar o meio ambiente. Nossos grandes clientes internacionais simplesmente vão boicotar os produtos brasileiros se não formos responsáveis.

A nossa dificuldade em combater os desmatamentos ilegais está muito relacionado a incompetência e a má gestão dos recursos públicos. Enquanto ONGs receberam bilhões de reais para falar mal do Brasil, o IBAMA sofre com a falta de recursos e precisa de apoio da PF e exército para fazer suas ações de combate ao desmatamento e queimadas.

Precisamos comunicar claramente com o mundo, de forma direta e sem intermediários, para que não paire dúvidas sobre o nosso interesse em promover o desenvolvimento do Brasil, respeitando o meio ambiente.



Leia mais!

Impactos Setoriais com a Reforma Tributária

A CCIF fez uma nota técnica em que apresenta projeções dos impactos macroeconômicos, setoriais e distributivos que a reforma tributária gerará na economia. O trabalho constrói um modelo que possui 86.628 equações e 95.205 variáveis, para simular alguns cenários com a reforma tributária. 

Leia mais »

O real desvalorizou mais do que o peso argentino

O real é a moeda que mais se desvalorizou em 2020. Até outubro de 2020, o real já havia perdido cerca de 30% do seu valor em relação ao final de dezembro de 2019. É claro que a pandemia influenciou nesta desvalorização, no entanto, nenhum país teve a moeda tão depreciada como a nossa, isso expôs diversas fragilidades na nossa economia e formas equivocadas que lidamos com crises.

Leia mais »

Acompanhe e Compartilhe!

Me siga nas redes sociais.

Fique por dentro!

Cadastre-se para receber notícias e novidades do meu mandato.

Faça sua doação

Conheça o #AGENTEqueFAZ, nosso programa de voluntariado para distribuição de cestas básicas .

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *