Inclusão Social Sustentável

Publicado em 7 de outubro de 2019 | Por Alexis Fonteyne

“Ensinar a pescar, ambiente de pescaria, vender o peixe e ser proprietário do resultado”

Por que continuamos com o discurso de combater a desigualdade como se isso fosse resolver algo no mundo?

Nicolas Pikety ficou famoso e insiste no discurso de distribuição radical de riquezas com propostas de modelos de tributações cada vez mais progressivas.

Falta nesta discussão toda uma análise tão antiga e frequentemente esquecida de causa e consequência. Onde está a visão sistêmica? Qual aula sobre ação e reação nós perdemos?

A desigualdade social não é causa de nada! A desigualdade é consequência da falta de combate à pobreza. Eu não tenho problema com a desigualdade, eu tenho problema com a pobreza! O combate à desigualdade não passa por uma simplória e forçada distribuição de riquezas, o combate à desigualdade passa pela geração de riqueza. Temos que atacar a causa e não ficar inutilmente combatendo as consequências.

Frequentemente escuto discursos pseudo óbvios de que o problema do Brasil é a falta de educação e que se todos tivessem uma excelente educação, acabaríamos com a falta de qualificação e haveria pleno emprego. Em discursos figurativos, escuto: “Temos que ensinar a pescar e não apenas distribuir peixes”, numa ideia de que pessoas qualificadas, naturalmente se viram e ganham o seu sustento. Isso não é verdade.

Não Há dúvida de que educação e capacitação são muito importantes e necessárias mas, lamento afirmar que não são suficientes. Sem um bom “ambiente de pescaria”, os nossos empreendedores talentosos simplesmente não desenvolvem o seu pleno potencial ou simplesmente mudam de país a procura de um ambiente propício para extrair toda a sua capacidade de gerar riquezas.

Exemplo clássico de que a capacitação e a formação não são suficientes para gerar riquezas é a extinta União Soviética, a Alemanha oriental, todos os países do leste europeu e Cuba. Em todos estes territórios, a educação era universal, de qualidade, rígida, integral e uniforme. Nesses países a população era formada para algum ofício, a capacitação, apesar de muitas vezes obsoleta, existia. Não havia espaço para “catervas”. Era uma obrigação dos regimes socialistas e comunistas mostrar a sua superioridade, havia uma competição de ideologias na educação, na ciência e nos esportes. Quem levava a maioria das medalhas nos jogos olímpicos? Quem colocou o primeiro homem em órbita?

Mesmo com toda esta formação, muitas vezes superior aos dos países ocidentais, esses países tinham três coisas em comum, não tinham liberdade, não geravam riqueza, eram pobres e iguais.

Por que as grandes mentes fugiam de seus países de origem para ir ao “medíocre” Estados Unidos da América? A resposta é a busca da valiosa e inegociável LIBERDADE. A liberdade para pensar, transitar, criar, se expressar, desenvolver e empreender. A liberdade é o bom “ambiente de pescaria”, é o complemento ao “ensinar a pescar”, onde, juntos, são necessários e suficientes, para gerar riqueza, combater a pobreza e, consequentemente, diminuir a desigualdade.

Esse ambiente de pescaria é o famoso ambiente de negócios, livre da burocracia desnecessária, que agrega custo mas não agrega valor, onde há um sistema tributário transparente, neutro, simples, intuitivo e equânime, onde há fartura de oportunidades, a livre iniciativa é valorizada, o Estado pouco intervém, a seleção natural age em favor dos mais eficazes e eficientes. No bom ambiente de negócios, os sistemas são integrados sem qualquer redundância, sem desperdícios de energia.

O ambiente de negócios se complementa quando ainda podemos vender livremente o nosso “peixe” e aplicar os resultados sem o temor do confisco, seja ele pelo autoritarismo ou pela legalização de leis socialistas que legitimam a sede de justiça dos incapazes, transferindo riqueza e incentivando o comportamento improdutivo e parasitário.

No Brasil há falta dos dois elementos, a educação nunca teve uma importância estratégica, há inúmeras experiências ideológicas, sem um planejamento sério de longo prazo. O ambiente de negócios é um dos piores do mundo, leis trabalhistas inibidoras de empregabilidade, excesso de regulamentações, sistema tributário caótico, confuso, gerador de contenciosos tributários e de exclusão social, sistemas independentes altamente eficientes na solicitação de informações redundantes e de punição automática ou seja, não temos nem formação de “bons pescadores” e nem “ambiente de pescaria”.

Não é para menos que temos 27 milhões de desempregados e subempregados e 23% dos jovens entre 15 e 29 anos não trabalham nem estudam.

Leia mais!

Esporte é inclusão social: de valores olímpicos a oportunidades de vida

A prática esportiva é muito mais do que a atividade física propriamente dita. Para além da melhora na qualidade de saúde, o esporte se torna uma verdadeira escola na vida dos praticantes: ensina valores e disciplina. É um meio de aprender a ganhar e perder, ter garra, resistência e vontade de continuar. Em tempos olímpicos, ao vibrar com as conquistas dos atletas brasileiros, fica ainda mais claro o potencial do esporte como elemento de inclusão social.

Leia mais »

Por que o piso salarial é ruim?

Uma emenda de minha autoria à MP do Ambiente de Negócios revoga a lei 4.950-A/1966, que estabelecia piso salarial mínimo para profissionais formados em Engenharia, Química, Arquitetura e Urbanismo, Agronomia e Veterinária. A Emenda já foi aprovada no plenário da Câmara dos Deputados, mas ainda vai ser votada no Senado Federal.

Leia mais »

O Brasil se prepara para o maior investimento em saneamento básico da sua história, entenda por que

O saneamento básico influencia diretamente no senso de dignidade das pessoas e na saúde das famílias, mas a cobertura de saneamento no Brasil ainda é precária. Dados do Ranking do Saneamento 2021, apontam que quase 35 milhões de habitantes não têm acesso a serviços de água tratada, 100 milhões não contam com coleta de esgoto e quase metade (49%) do esgoto gerado no país não recebe tratamento.

Leia mais »

Vencer o custo Brasil é desafio para o empreendedor campineiro​

Campinas é uma cidade inovadora, considerada um polo de desenvolvimento científico e de empreendedorismo. Em 2019, a cidade figurou no Ranking Connected Smart Cities como a mais inteligente e conectada do Brasil, mas o espírito inovador enfrenta alguns desafios de ordem burocrática que dificultam a criação de novos negócios. Essas dificuldades são expressão do custo Brasil, fator limitador que os empreendedores têm que superar a fim de criar e gerir seus negócios.

Leia mais »

Entenda o que é Custo Brasil

Frequentemente vimos estampado nas manchetes dos jornais a expressão “Custo Brasil”, esse se tornou um termo muito usado, que agrupa um conjunto de fatores que encarecem cada vez mais produtos e serviços no país, tirando a nossa competitividade diante do mundo.

Leia mais »

Acompanhe e Compartilhe!

Me siga nas redes sociais.

Fique por dentro!

Cadastre-se para receber notícias e novidades do meu mandato.

Faça sua doação

Conheça o #AGENTEqueFAZ, nosso programa de voluntariado para distribuição de cestas básicas .